terça-feira, 5 de julho de 2011

O Enfermeiro, de Machado de Assis

O Enfermeiro de Machado de Assis

O conto O Enfermeiro está, certamente, entre os melhores contos de Machado de Assis. Narrado em primeira pessoa a um interlocutor imaginário, é a história do último enfermeiro do rabugento coronel Felisberto, que esgana seu indócil paciente.

De férias na casa da minha família paterna em Santo Antonio de Jesus-BA,  meu primo Rodrigo me fez uma proposta muito decente, e que ja havia sido feita pela sua professora de redação. Ele solicitou  minha ajuda  para entender o conto "O enfermeiro" e transformá-lo em um esquete teatral usando uma linguagem de fácil acesso e entendimento, e que também fosse cômico. Arregacei as mangas literalmente e juntos montamos uns diálogos. O texto ficou muito engraçado.

 

Conto baseado  em O Enfermeiro   de  Machado de Assis
Por Gilmara Lisboa e Rodrigo Fausto
 
1º Ato  - A vila
NARRAÇÃO: Em agosto de 1860, Procópio, 42 anos, a pedido do vigário, aceita mediante a um bom ordenado, servir de enfermeiro ao coronel Felisberto, um velho de 60 anos. O estudante de teologia, arruma suas malas e segue para o novo trabalho.
Cenário: Uma mesa de bar com  quatro homens jogando dominó.
(Procópio se aproxima dos quatro homens,  limpa a garganta e pergunta:)
PROCÓPIO:   Alguém aqui conhece o Coronel Felisberto?
HOMEM 1:   Quem não conhece aquele velho insuportável?! Homem exigente, nem os amigos querem meia com ele.
HOMEM 2:   Por causa de que, tu quer saber do velhote?
PROCÓPIO: Sou o enfermeiro contratado para cuidar do coroa.
HOMEM 3:   Affffff. Já passaram mais de trocentos enfermeiros pela aquela casa.
HOMEM 4:   Verdade. Soube que ele já desceu a madeira em dois e até quebrou o braço de outro.
Homem 1:   Lá gasta mais com enfermeiro do que com remédio.
 PROCÓPIO:    É, paga-se bem!
NARRAÇÃO: Procópio agradece pelas informações e parte para a casa do Coronel. 

2º Ato  - Na casa do Coronel
Cenário: Coronel sentado numa cadeira com uma bengala com olhar perdido xingando muito. Prócopio se aproxima.
CORONEL: Quem é você?   
PROCÓPIO:   Sou o enfermeiro, senhor.
CORONEL (fala ríspido): Aqui não teve nenhum enfermeiro que prestasse. Bando de preguiçosos, dormiam o tempo todo. E quando estavam acordados viviam correndo atrás das periguetes. Dois deles eram ladrões. Você é ladrão?
PROCÓPIO:   Não, senhor! Nunca roubei ninguém.
CORONEL:   Qual o seu nome?.
PROCÓPIO:   Sou  o Procópio José Gomes Valongo.
CORONEL: Colombo?
PROCÓPIO:   Han – han... Valongo, senhor! Va... lon... Go.
CORONEL: Valongo? E isso é lá nome de gente, ôla êle! Vou ficar só com Propró.
PROCÓPIO:   Ok! Fique a vontade.
 
3º Ato  - A porretada
NARRAÇÃO: Após três meses cuidando do velho, Procópio já cheio de tanta perturbação aguarda uma oportunidade para vazar de vez da casa  do mal humorado. 
Cenário: Coronel andando com dificuldades com uma bengala gritando pelo enfermeiro. 
CORONEL: Propró seu filho de uma mula. Cadê você seu lascado, preguiçoso, descarado, vagabundo, sasizeiro,  xincheiro...Venha cá ligeiro.   
PROCÓPIO  chega correndo:   Aqui estou senhor!
( O coronel ataca o enfermeiro com a bengala)
 PROCÓPIO grita bravo: Seu velho rabugento, não estou suportando mais. Seu mal amado. Não fico mais nem um minuto aqui.
NARRAÇÃO: O coronel se assusta com a brabeza do enfermeiro e arrependido procura-o e com a voz mansa, diz:
FUNDO MUSICAL  INSTRUMENTAL AVIÕES DO FORRÓ: Vou não quero não
CORONEL: Oh  Propró! Num vá não , quero não, pode não, o velhinho não agüenta não.
PROCÓPIO:   Vou sim,quero sim, posso sim, o senhor não manda em mim. Tô afim vou partir.
CORONEL:  Vá não Propozinho. Eu já estou com o pé na cova. Breve eu to batendo as botas,  e eu quero você no meu enterro, senão ... eu puxo o teu pé de noite... Você crer em alma de outro mundo?
PROCÓPIO:   Ôla êle! Que alma de outro mundo o que?!
( O coronel com a bengala na mão ameaça  bater em procópio e diz: )
 CORONEL:  Não crer por que seu burro? Filho de uma que ronca e fuça!
PROCÓPIO:   Já vem o senhor de novo. Vou embora mesmo.
( O coronel agarra o enfermeiro pela cintura e implora: )
CORONEL:  Vá não! Vã não!
( Procópio olha sério pro coronel: )
CORONEL:  Eu prometo , não vou lhe bater mais de bengala... Eu juro...
CORONEL murmura:  Bato só de cinto...
 

4º Ato  - A fúria 

NARRAÇÃO: O enfermeiro na tentativa de driblar o sono para estar ativo ao horário do remédio do coronel Felisberto, é vencido pelo cansaço e dorme.
Cenário: Coronel deitado dormindo, uma mesa com uma garrafa de água próximo da cama, e Procópio numa cadeira cochilando com um livro aberto sobre o  peito.

CORONEL acorda aos berros: Enfermeeeeeeeeeeeeeeiro seu filho de uma lascada, preguiçoso,dorminhoco,  vagabundo, miserável, não vai me dar meu remédio  não? Quer apressar minha morte seu bandido?!  
( O coronel apanha uma garrafa e joga contra o enfermeiro, que acorda sobressaltado e muito irado, parte pra cima do velho apertando o  seu pescoço.
PROCÓPIO : Seu velho desgraçado, veja o que você me fez. Partiu minha cara .Estou de saco cheio dos seus delírios e maus tratos. Toma o teu doce agora.
NARRAÇÃO: Procópio após sua ira, percebe que apertou o pescoço do velho com muita força e desesperadamente, descobre que o velho partiu desta pra uma melhor.

NARRAÇÃO: Atordoado com sentimento de culpa e com muito medo , Procópio vagueia  de um lado a outro do quarto. Muito nervoso,  se desespera, mas se controla. Ouve vozes vindo das paredes: ASSASSINO,.. ASSASSINO.  O home fica ainda mais atordoado. E se ele fugir! E se perde em seus pensamentos estratégicos... Senta e aguarda que o dia alvoreça.
Tudo transcorre bem ao amanhecer. A morte do velho vira notícia, e nenhuma desconfiança da causa. Afinal o coronel já estava com o pé na cova.  O vigário  é anunciado e o enterro realizado.
Cenário: Procópio abrindo uma carta e lendo silenciosamente apresentado espanto e mistério.
NARRAÇÃO: Procópio organiza os seus pertences e vai para o Rio de Janeiro. Sete dias depois da sua chegada, recebe uma carta do vigário com uma notícia maravilhosa... O que será que continha naquela carta? Qual a boa notícia o vigário traria para Procópio?  Querem saber? Leia o conto...
FIM
*********************************************************************************
A Versátil, em parceria com a Fraiha, apresenta O Enfermeiro, uma ótima adaptação de um dos melhores contos do genial Machado de Assis (1839-1908), que conta com grandes interpretações dos atores Paulo Autran e Matheus Nachtergaele.







Bem , vou ficando por aqui... Abraços fraternos! 





Um comentário:

Rogerio Floripa disse...

Baixar o Filme - O Enfermeiro - Adaptação do conto de Machado de Assis - http://mcaf.ee/rkn87